22 fevereiro 2013

UM PAÍS SEM MISÉRIA, é um País sem Miseráveis





Na última terça-feira (19), a presidente Dilma Rousseff anunciou a ampliação do programa Brasil Sem Misériainiciado em junho de 2011.
A iniciativa tem como objetivo reduzir a extrema pobreza em todo o País. Por meio de um mecanismo de Busca Ativa, utilizado desde o inicio do programa, mais de 2 milhões de pessoas foram localizadas e incluídas no cadastro do projeto, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social.
O governo considera como extrema pobreza as pessoas que possuem renda per capita mensal inferior a R$70. As famílias cadastradas no programa Brasil sem Miséria receberão um valor complementar para que cada pessoa atinja o valor que supera a linha da extrema pobreza.
 Portanto, na estatística estará aparentemente resolvido.
“Não conhecia o programa, eu acho que quando você dá dinheiro para as pessoas nunca sabe o que elas irão fazer com ele e nem sempre pode ser algo bom”, afirmou Danielle (21), estudante de Administração de Empresas. O desconhecimento da iniciativa do governo enfatiza a falta de ações do governo que possibilite a todos os brasileiros, num nível pleno de igualdade, saber e entender os projetos sociais em andamento. Entretanto, em época de eleição todos os projetos sociais, bons ou não, são relembrados através do ponto de vista que favorecer cada partido. 
“O governo parece estar mais preocupado em usar as estatísticas para mascarar a pobreza tanto para os gringos quanto para os próprios brasileiros, principalmente em época de eleição”, comenta Felipe (20), estudante de Sistemas da Informação. É evidente que esse complemento não irá acabar com a pobreza no País, a verdadeira diferença será percebida apenas nas estatísticas. O País tem necessidade de mudança, entretanto apenas dar o mirrado peixe não é o suficiente, seria preciso investir na educação básica.
Para Felipe o país está acostumado e acomodado, com o mesmo partido no poder executivo. “Se apenas um partido fica a frente do País, as coisas seguem sempre o mesmo rumo”. 
Enquanto isso Dilma Rousseff afirma que “Falta pouco para erradicar a miséria”
....Erradicar a miséria das estatísticas.
Não adianta dar de comer, sem ensinar ou proporcionar condições de que a pessoa consiga encontrar alimento por si próprio. 
Que cada um tenha suas próprias conclusões e o governo faça o que é necessário.


S. Olivx



20 fevereiro 2013

SOBRE A MUTABILIDADE



Há quem viva por condição,
Por opinião pensada apenas uma vez.

Pensadores são livres de qualquer opinião,
Tendem a mudar todos os dias, mais de uma vez.

Não carregam crenças,
mas elas o seguem e tentam
se provar todos os dias.

A chuva só caí do céu para que ninguém duvide de sua existência oculta nas nuvens.

S. Olivx

02 fevereiro 2013

Canção do Republicídio





Minha terra tem Cachoeiras
Mas o sol não nasce lá;
E o desejo do brasileiro
É ver esta cachoeira secar.

Nossa polícia não sabe que faz parte do todo,
E a esperança mantém todas as cores;
Nossa Cachoeira afoga o povo,
E em nosso verde menos flores.

Em cismar, sozinho, à noite
Mais desigualdade social;
Minha terra é usurpada por senhores
Isentos de moral.

Minha terra tem espectadores 
Que tais não se põem a lutar.
Em cismar - a água aumenta;
Mais a dizer, porém irá calar
Minha terra tem Cachoeiras,
Onde ideia nenhuma florescerá.

Não permita Deus que minha terra inunde,
Sem que todos nós possamos estancar;
Sem que os espectadores,
Tenham a chance de fazer esta água imunda parar;
Sem qu'inda o sol renasça
E essa Cachoeira morta, secar.


S. Olivx


Paródia de "Canção do Exílio , Gonçalves Dias  

Elaborada para a Disciplina História da Comunicação - 2012 (USJT)

A alma do homem sob o socialismo





"      Egoísmo não significa viver como se deseja, mas sim pedir aos outros que vivam como se 
deseja. E altruísmo significa deixar a vida de outrem em paz, não interferir nela. O egoísta 
sempre visa criar em torno de si uniformidade absoluta. O altruísta reconhece satisfeito a 
diversidade, aceita-a, concorda com ela, desfruta-a. Não é egoísmo pensar por si mesmo.
Um homem que não pensa por si mesmo, simplesmente não pensa. É demasiado egoísmo exigir 
que o próximo deva pensar da mesma forma e sustentar as mesmas opiniões. Por que deveria? 
Se ele tem a faculdade de pensar, irá provavelmente pensar de modo diferente. Se não tem, é 
uma crueldade exigir-lhe pensamento de qualquer espécie. Uma rosa vermelha não é egoísta 
por querer ser uma rosa vermelha. Mas seria terrivelmente egoísta se quisesse que as demais 
flores do jardim fossem tanto rosas quanto vermelhas. Sob o Individualismo, as pessoas serão 
perfeitamente naturais e altruístas, conhecerão os significados dessas palavras e irão 
compreendê-los na vida, que tomará a forma da liberdade e da beleza. Tampouco os homens 
serão egoístas como são agora. O egotista é aquele que impõe exigências aos outros, e o 
Individualista não desejará tal coisa, pois não terá prazer nela. Quando o homem tiver 
compreendido o Individualismo, terá também compreendido a solidariedade e a praticará livre 
e espontaneamente. Até hoje dificilmente o homem tem cultivado a solidariedade. Ele é 
solidário apenas na dor, e a solidariedade na dor não é a forma mais elevada de solidariedade. 
Toda solidariedade é pura, mas na dor tem sua forma menos pura. Está maculada pelo 
egotismo. Está inclinada a se tornar mórbida. Há nela um certo temor por nossa própria 
segurança. Temos medo de que nós próprios venhamos a ficar como o leproso ou o cego, e 
ninguém se importe conosco. Além do mais, tal solidariedade é muito limitada. Deveríamos ser 
solidários com a vida em sua totalidade, não apenas na dor e na doença, mas também na 
alegria, na beleza, na energia, na saúde e na liberdade. A solidariedade mais ampla é, 
naturalmente, a mais difícil: exige maior altruísmo. Qualquer um pode se sentir solidário na 
dor sofrida por um amigo, mas é preciso uma natureza muito superior - a natureza de um 
verdadeiro Individualista - para se sentir solidário no êxito alcançado por um amigo.     "


Oscar Wilde, em A alma do homem sob o socialismo

01 fevereiro 2013

Platéia - Divagações Platônicas





"  - Já lhe disse em outra ocasião que a beleza, meu caro,
está no caráter, na inteligência. Na forma como vemos no
mundo das ideias, o resto são sombras do que nossos
sentidos conseguem captar – disse Platão com aquele
olhar perdido.
O dia estava nublado e, a natureza ao redor estava calada
ouvindo a voz dele como um sussurro. Aristóteles
murmurou:
- A beleza está na harmonia da forma como um todo...
Platão aquiesceu por alguns momentos, reparando no rio a
sua frente, fluindo naturalmente, como se aquela fosse sua
condição eterna. Notou que o menino Aristóteles lhe
encarava esperando do mestre alguma reação.
- Meu caro a forma bela é o que permite o começo do
amor, e o amor se fixa pela própria beleza da mente.
A mente sagaz do garoto inquiriu o mestre:
- Então primeiramente se ama pela forma bela e depois o
amor se torna a própria forma?
- “Beleza que existe eternamente, e nem nasce nem 
morre, nem mingua nem cresce; beleza que não é bela por 
um aspecto e feia por outro; nem agora bela e depois não; 
nem tampouco bela aqui e feia em outro lugar, nem bela 
para alguns e feia para outros. Nem poderá tampouco 
representar-se esta beleza como se representa, por 
exemplo, um rosto ou umas mãos, ou outra coisa alguma 
pertencente ao corpo, nem como um discurso ou como 
uma ciência, mas que existe eternamente por si mesma e 
consigo mesma.”
Eles não repararam, mas cada gota d’agua, o próprio rio,
havia parado para ouvir tais palavras e agora no silêncio,
cada uma seguiu o seu caminho. Em direção ao mar de
algum lugar.

S. Olivx

Jornadalismo




Jornalismo é a estrada por onde quero trilhar o mundo, conhecer pessoas e histórias. Tornar-me mais humana. Mesmo que os anos passem e que a frase “More than machinery we need humanity” citada por Chaplin, deixe de fazer sentido para as próximas gerações. Que esta palavra humanidade nunca perca sua essência dentro de mim.
Espero que através da realidade as pessoas alcancem um estado de consciência e ação, revolução!  Que as pessoas deixem de serem as engrenagens desse motor desumano. E parem de apenas assistir o circo pegar fogo, espero que alguém se mova, que a Terra gire como sempre, mas algo mude dentro das pessoas, e seja refletido em seus atos. 

            Quero lapidar a neutralidade, ser uma observadora imparcial da realidade, pois não é minha intenção participar dos atuais shows de manipulação, afinal influenciar sua própria espécie pode ser suicídio. Quero fazer pensar, não que pensem um pensamento que é apenas meu.
            Meu papel será de coadjuvante diante do palco da vida, ser jornalista é unir todos os povos através da informação, do conhecimento. E essa missão não é apenas minha, “sou uma gota d'água, sou um grão de areia”, uma parte de um todo.

Daqui a dez ou vinte anos, meus pensamentos poderão ter trilhado um rumo diferente, afinal sempre temos muito que aprender e apreender da vida. 
E cada experiência é uma mudança em nós, ainda que pequena.

S. Olivx

Redação feita para a disciplina História da Comunicação - 2012 (USJT)
Tema: Meu futuro papel enquanto Jornalista