09 agosto 2013

Uma guerra entre conceitos e atitudes


Foto: Kid at window | Scott Wallick 

Por enquanto, os pais ainda insistem em criar seus filhos com os valores que formam o caráter de um bom ser humano*. Ainda ensinam a bondade, a solidariedade e a não-violência.
Contudo, muitas vezes os ensinamentos vêm apenas em palavras e os atos que servem de exemplo são o contrário do que, por tradição, ensinam.
Como se meros conceitos proferidos em algum momento valessem mais do que as atitudes que têm o tempo todo.
Os atos cotidianos que não têm intenção de ensinar qualquer coisa são os que acabam formando aquela pessoa. É, também, daquilo que o caráter será feito.
Existem pais que não tem a pretensão de ensinar coisa alguma, ou, ainda os que ensinam de outras formas.
E ainda, do outro lado estão aquele que, sem as figuras paternas, aprende a vida direto da vida, a realidade direto da realidade. Que primeiramente aprende atos e não conceitos.
E desde cedo já vê que aqui não é o top 3 na lista de mundos para se viver.
Não que seja apenas atrocidade e hipocrisia, mas você sabe...

Então, fomos crianças criadas em mundo de adultos que, em sociedade, dissimulam o tempo todo.
E essa fogueira-dúvida, irá crepitar a noite inteira: vale a pena ensinar o caráter? e é hipocrisia ensinar?

Talvez depois de saber distinguir o que é bom ou ruim, dentro do contexto em que está, o indivíduo perceba que, neste mundo, esses conceitos se diluem quando o verbo é sobreviver.
E aí, irá pender para o lado que o mantenha vivo.
Talvez, se os adultos não ensinassem como ser bom fossemos ainda piores quando adultos.
E talvez, se seus exemplos fossem baseados em suas palavras não seríamos tão assim.

Porém, o mundo que vejo não verá o seu caráter.
O mundo vê a esperteza, não vê a intenção.
Vê o fim, não os meios.
E é somente isso, apenas vê.
Então, não esperemos por reconhecimento de qualquer coisa.
Apesar de tudo creio que vale a pena deixar nas nossas sementes a clara percepção dos conceitos.
Que preserva a esperança do que podemos ser quando deixarmos de lado a casca que envolve as atitudes que temos e muitas vezes não são nossas.
Mas tudo são apenas suposições, boas para o universo de um livro.
E nós somos apenas poeira no vento tentando se manter no ar...por mais tempo.
Deixo a torneira de ideias jogadas aberta, para que quando a sua opinião estiver formada, você tenha a escolha de fechá-la ou deixar correr por aí.

*Mas afinal, o que é um bom ser humano?

S. Oliv

Nenhum comentário:

Postar um comentário